Loading...

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Casa, comprar ou arrendar?



Ter uma casa própria, é hoje uma dor de cabeça do caraças para muita gente. Muitos são os que já desistiram, e entregaram-nas aos bancos, e outros, só ainda não o fizeram, porque… sinceramente não sei bem porquê!

A impossibilidade de cumprir com os seus compromissos, afecta cada vez mais famílias. Falamos de gente honrada, para quem toda esta situação originada pela crise, é bastante confrangedora.

Gente a quem foi vendida a ideia que esse era o investimento das suas vidas. Nada era melhor. Mesmo que hipotecando o futuro da sua família.

O governo, por sua vez, deu cobertura a todo este negócio que envolvia muitos milhares de milhões de euros.

Será que o que está na origem de tudo isto é a preocupação altruísta dos bancos e do governo com as famílias?!

Claro que não.

A explosão do crédito dá-se nos anos 80 como resposta a uma fase de estagnação das economias, nomeadamente nos países mais industrializados do velho mundo. A desregulamentação do sistema monetário internacional após dois violentos choques petrolíferos na década de 70 deu origem à desvalorização do dólar que perdeu a sua paridade face ao ouro. Assistiu-se a uma queda generalizada do comércio internacional. 

Havia que rapidamente encontrar uma solução para dinamizar o mercado. Manter o mercado a funcionar era a prioridade máxima. Tinha de rapidamente incentivar-se o consumo.

O sistema estava preparado para proporcionar os meios financeiros. Começou a estar disponível crédito para tudo. Viagens, casas, mobílias, barcos, carros de alta cilindrada, electrodomésticos, … e além disso existiam os cartões de crédito. Paletes deles. Os bancos enviavam-nos para nossas casas e podíamos começar logo a usar.

No que diz respeito ao assunto de hoje, essa era uma época em Portugal que o mercado de aluguer estava completamente paralisado. Não se faziam actualizações nas rendas pelo que não existia investimento, e não existindo investimento... chegou-se à situação em que o valor da renda não justificavam simples obras conservação. Os edifícios começaram a degradar-se.

Os senhorios, eram considerados uma corja de malandros capitalistas.

Este ambiente social, aliado à falta de regulamentação dos arrendamentos, era propício aos mercados de capitais na sua estratégia de fomento ao consumo. Faziam-se contratos a 30 ou 40 anos. Era uma garantia de estabilidade do sistema, com rendimentos garantidos a longo prazo. Cá estava o agora famoso mercado a actuar. Nesta altura já estavam envolvidos em toda esta tramóia.

No anos 90 e início do novo milénio, comprar era um bom negócio uma vez que o valor das prestações na aquisição de casa própria era, 20 a 25% abaixo das rendas praticadas em alugueres de habitações com idênticas características.

Hoje, fruto dessa conjuntura, a grande maioria dos Portugueses tem habitação própria. Ou tinha. O Estado, por seu lado, esquecendo-se das circunstâncias que conduziram a esta situação, considerando-nos, a todos nós, proprietários, e somos tratados como tal pela máquina fiscal. Somos ricos.

Os impostos sobre a propriedade aumentaram brutalmente. Sobre o imobiliário incidem impostos directos e indirectos, nacionais e municipais.

Actualmente o mercado de arrendamento disparou. Só no último ano cresceu mais de 70%. A opção hoje passa, cada vez mais, pelo arrendamento. Permite uma maior mobilidade das famílias. Quando podem optam pelo retorno às origens. Assiste-se ao abandono das grandes cidades onde o custo de vida é mais elevado. 

Outros simplesmente rumam a novas paragens, procurando noutros países aquilo que não conseguem em Portugal. 

Não sendo possível a venda das suas antigas casas, estas são agora colocadas no mercado de aluguer, dinamizando assim o sector.

Mas se hoje arrendar é mais fácil, isso deve-se a circunstâncias absolutamente anormais. A dificuldade de novos financiamentos e o aparecimento de várias casas disponíveis no mercado de arrendamento pelo valor da mensalidade ao banco, gera oportunidades excepcionais à dinamização desta actividade.

Se pudesse voltar atrás, eu alugava. 

Sem comentários:

Enviar um comentário