Loading...

domingo, 14 de agosto de 2011

Gestão de RH




Gerir as férias de pessoal é a maior dor de cabeça de qualquer gestor.

Eu, como sempre fiz asneira.

Dei férias em simultâneo aos meus dois únicos neurónios. Tem sido o caos total. 

Os meus sistemas têm estado em auto-gestão. É mais do tipo, cada um por si e fé em Deus!

Agora só vou voltar ao blogue quando os “animaisinhos” voltarem de vacanças!

Aguentem-se, porque caso eles não me abandonem, eu volto!

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

O BPN finalmente foi-se!


Para uns foi mau negócio, para outros o negócio possível.

Desde a primeira hora que penso que a nacionalização do Banco foi uma calhordice, quer do governo quer do homem forte da altura, à frente dos destinos da SLN, o Dr. Cadilhe.

Parecia uma luta de gatos assanhados. Um pensava ser intocável e poderia dizer, fazer e afrontar o poder político, como e quando entendesse. Os outros, pensavam que salvariam a economia portuguesa da crise, mais que instalada, nacionalizando, à pressa, o BPN, sem avaliar as possíveis consequências.

Com isto o Cadilhe sai de cena. Mas os bons nunca perdem. E ele lá recebeu os 12 ou 13 milhões do PPR que tinha sido constituído em seu favor, e fez-se à vida. Os accionistas receberam “bolinha”, e muito bem. Na minha opinião deveriam repor o que ganharam de modo,… digamos, fácil.

Os restantes, funcionários, clientes, consultores, direcções, e restantes empregados das empresas do grupo SLN lá se foram ajustando. Uns engolindo sapos vivos, e outros, animais de muito maiores dimensões. Existiram no entanto outros que embora sem opções profissionais em aberto, saíram. 

Bateram com a porta. Já tinham contribuído para aquele peditório! 

Reconheceram que duma forma ou de outra foram enganados. Pelo menos sentiram-se embusteados (gosto desta palavra).

Os políticos, por sua vez, como é sua característica basilar, continuaram a falar, falar, falar,… uns contra, até porque são do contra por natureza e essência, e outros lá conseguiram manter aquela postura de gente de bem, acima de qualquer suspeita, e foram parar à comissões parlamentar criada para o efeito. Foi um tempo produtivo em declarações mais ou menos coincidentes. 

Era necessário manter o processo durante algum tempo à tona.

A exposição pública era imensa para se poder esconder.

Se houve aproveitamento politico?! É evidente que sim. Nestes casos encontra-se sempre alguém que está na disposição de se evidenciar e ganhar peso político. Como diria a minha mãe “com o mal de uns, ganham outros”.

O processo continua a decorrer, mas, eventualmente os grandes culpados pela golpada, nem sequer estão indiciados. Esses são como o azeite em água. 

Misturam-se mas depois de repousar, lá vêem ao de cima, onde se mantêm. 

Nunca se afundam, por maior que seja a quantidade de água em que se misturem.

Agora o BPN, tem novo dono.

Esperemos para ver as cenas dos próximos capítulos.

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Nunca e sempre!


São palavras intensas, definitivas, que implicam actos ou acções sem retorno. No entanto se estas são as palavras menos confiáveis do dicionário, por implicarem algo de definitivo, também não é menos verdade que são apenas palavras.

E valem o que valem. Não têm vida própria.

Precisão sempre de alguém que as profira ou escreva, e outros que as ouçam e lhe dêem uma qualquer interpretação, boa ou má, para que, momentaneamente, ganhem vida.

E isso é que é mau. Quando ganham vida e se comprometem. Nos comprometem.

Em boa verdade são apenas um conjunto de letras e não deixam de ser isso mesmo, até ao momento em que se juntam. E fazem estragos.

Nada na vida é definitivo, e estas palavras representam um fim em si mesmo, ou uma intenção com efeitos definitivos.

Como posso garantir, sem qualquer margem para o erro, que nunca mais vou mentir ou nunca mais me vou comprometer com algo, se sei que posso não vir a cumprir?

Nunca mais dizer nunca ou sempre, é apenas uma promessa. Ou uma intenção. E quer uma quer outra podem ser quebradas. Pelo menos aquelas que são feitas sobre um estado emotivo que nos leve a dizer o que não sentimos, e por consequência, a não sentirmos o que dizemos.

Mas se sempre sou tão radical com o nunca, porque é que não consigo garantir o mesmo com o sempre?

Há quem defenda risca-las do mapa. Retira-las do dicionário. Da vida!

Mas isso é uma tolice porque estas duas palavras são para a vida, como o sal e a pimenta para a comida.

Sem elas, a vida ficaria, seguramente, muito menos excitante!

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Bora lá à boleia?!


Para inicio de conversa, devo desde já adiantar, que discordo da medida de aumentar os transportes públicos em valores acima da inflacção. Mas será que é possível o Estado (todos nós) continuarmos a suportar os milhões de euros de prejuízo das empresas de transportes?

Não restam dúvidas que é necessário proceder a ajustamentos, no entanto estes deverão ser feitos com cuidado redobrado uma vez que afectam não só cidadãos mas também, a habitabilidade nas cidades.

Se os elevados impostos que incidem sobre os combustíveis, tem um efeito persuasivo na utilização de viaturas, um aumento desmesurado do valor dos transportes públicos pode ter um efeito contrário.

Os cidadãos são empurrados para fora das cidades onde o custo especulativo das habitações as torna proibitivas. Não sendo isso possível, são obrigados a deslocações diárias das periferias para as cidades. 

O fluxo constante de tráfego, principalmente nas principais artérias de entrada e de saída, dá dores de cabeça gigantescas quer aos responsáveis pelo planeamento do tráfego, quer aos milhares de cidadãos que engrossam diariamente as filas de trânsito.

As cidades têm de se adaptar, criando uma eficiente rede de transportes que descongestione, não só as principais artérias, como permita a diminuição da poluição, que nalguns casos, ultrapassa já o limiar máximo, colocando em risco a saúde pública.

Custos de combustíveis, aumento de poluição e o risco da saúde pública, deveriam constituir factores suficientemente fortes para, cada vez mais, se criarem parques automóveis fora das cidades, privilegiando a circulação urbana numa rede de transportes, acessível e com grande capacidade de resposta.

A rentabilidade das empresas poderia conseguir-se, não através de um aumento tão brutal nos preços, mas intervindo ao nível de um rigoroso controlo sobre os custos de produção.

Essas organizações têm um desequilibrado rácio de chefias. As administrações são pagas a peso de ouro. Há que aumentar os resultados eliminando deficits crónicos. Devem começar por cortar nos custos, ajustando-os às reais necessidades de cada uma das empresas. Que fique só quem quer trabalhar. Dispensem-se os que apenas engrossam as folhas de pagamento mensal, sem acrescentarem qualquer valor.

Tinha e tenho grande fé no actual primeiro-ministro, e sou grande admirador do bom senso do actual ministro das finanças, que aliás, me parecem ser, quer um quer outro, gente com excelentes intenções.

Mas isso não chega.

De gente bem-intencionada, está o cemitério cheio!

sábado, 30 de julho de 2011

Amor, amados e amantes




Um destes dias passei pelo parque de Monsanto. Havia carros estacionados e muitas famílias a aproveitar um dia de sol esplêndido. Os miúdos andavam entretidos em correrias a aos saltos. Felizes por estarem ali, ao ar livre, uns com os amiguinhos, outros com os seus pais.

Nestas alturas entendemos a vida na sua real plenitude. Pais que se assumem e são-no, não por mero acidente, mas por opção de vida. Sente-se que estão ali, e aquele é, sem dúvida, o melhor sítio do mundo, apenas porque é onde estão as pessoas que mais amam.

Não me parecem ser gestores de multinacionais ou de qualquer empresa cotada em bolsa. Provavelmente o lugar que cada um deles ocupa nas suas empresas, nem sequer é relevante.

Em contrapartida, o lugar que ocupam nas suas famílias é-o indiscutivelmente.

A par de toda esta actividade familiar, também se encontram alguns carros parados à sombra, em zonas discretas e pouco movimentada. Longe da zona de passagem obrigatória.

Lá dentro, numa comunhão de compromissos não socialmente assumidos, estão pessoas em fugidios momentos de intimidade. Comprometidos, e que procuram esconder-se quando se sentem observados. 

Querem manter o anonimato.

Alguns claramente no inicio do trajecto. Outros já numa fase avançada, embora discretos, assumem maiores riscos e trocam carícias num crescendo que se vai tornando incontrolável. Qualquer deles, apenas procura conforto, em curtos momentos de fuga a realidades, por vezes complexas.

Um bom amigo, já desaparecido há alguns anos, confessava-me que esse foi um papel que ele tinha desempenhado e era, no seu entender o que de mais sublime havia na alma humana. Era o encontro esquivo de duas almas que se amavam. Não porque a vida assim o destinara, nem porque tinham a bênção numa qualquer cerimónia, mas porque, quando os amantes se encontravam, se vivem momentos de comunhão total. De corpo e espírito. Que lhes traz serenidade e harmonia às suas vidas.

Dizia-me ainda, esse bom amigo (figura das artes e das letras), que amantes são as pessoas que verdadeiramente se amam. São os que vivem do amor partilhado. E embora socialmente rejeitados, quando se vive nesse estado de amor total e incondicional, estão-se nas tintas para tudo o resto. Tudo é silencioso e clandestino.

Tinha passado grande parte da sua vida na procura da alma gémea. Só isso justificava a sua existência. 

Acreditava que só aqueles que a descobriam poderiam ser felizes. Tornava tudo o demais suportável. Ele tinha sido abençoado. Tinha-a encontrado. E embora na altura estivesse amarrada a um compromisso, sabia que os dois estavam predestinados. Ambos sabiam que assim era.

A passagem por Monsanto trouxe-me à recordação esse bom amigo. E as noites em claro passadas em longas conversas em que me contava as suas aventuras e desventuras, de encontros e desencontros, com aquela que foi por parcos instantes, sua mulher, amada e amante.

Este meu admirável amigo, morreu de amor. Menos de dois anos após a morte física da sua mulher, ele desistiu da vida e iniciou a sua maior aventura de sempre. Iniciou uma nova busca pela alma gémea perdida, desta vez, na vida para além da matéria.

Espero que se tenham encontrado, e no lugar onde estão, qualquer que ele seja, gozem o amor porque tanto lutaram e merecem.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

A “loucura” não pode ser um refúgio para criminosos!



O advogado de Anders Behring Breivik pode invocar o que quiser, mas o facto deste sujeito ser um psicopata que matou a sangue frio, dezenas de pessoas na flor da sua vida, nunca poderá ser desculpado, nem sequer atenuado, por uma qualquer habilidade jurídica.

O julgamento só vai começar em 2012 porque, segundo o Procurador do Rei, há muita coisa para investigar. “A acusação não estará pronta antes do fim do ano, é o ponto de partida”, disse à rádio NRK.

Os atentados podem ser difíceis de prever e enquanto sociedade podemos precisar de estudar as razões que leva estas pessoas a tornarem-se extremistas, e a cometer actos criminosos tão bárbaros. Podemos não compreender totalmente o processo e os distúrbios que lhe podem estar subjacentes, no entanto, com estado de loucura momentânea, ou não, as vítimas viram-se privadas do seu mais sagrado direito, o direito à vida.

Independentemente das discussões académicas que psiquiatras, psicólogos e outros profissionais do ramo possam ter, este homem é um criminoso confesso e como tal deve ser julgado. Sem atenuantes, sem qualquer tipo de “benefícios” que legalmente o coloquem numa situação de privilégio.

Premeditou o atentado e os assassinatos. Foi necessário tempo, inteligência e grande dose de sangue frio para os planear sem levantar qualquer tipo de suspeitas. No dia, foi um executor implacável.

Em casos que envolvam este grau de violência, sou claramente a favor da pena de prisão perpétua. Dolorosa de preferência, para que os criminosos, diariamente, e até ao final dos seus dias de vida, consigam tomar consciência da angústia sentida pelas suas vítimas nos últimos momentos de vida.

Não podemos invocar nem a civilidade nem a evolução da raça humana para desculpabilizar estes comportamentos claramente desviantes. Anti-sociais. Marginais a qualquer concepção de razão, humanidade ou direito social.

É o que se espera do sistema. É o que se espera da justiça. 

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Lixo é a tua tia, pá!



Há dias que não sei sobre o que escrever. Há outros em que só me apetece dizer mal. Usar a má-língua para arrear com fartura nesta maré de gente amorfa que me cerca. Empresários sem projecto, funcionários públicos sem orgulho, uma multidão de gente adormecida. Zombies.

Olho para trás e vejo o meu trajecto de vida. Apetece-me contar histórias. Verídicas. Vividas na primeira pessoa.

Felizmente, desisto a tempo.

Quero continuar a manter este Blogue anónimo. Esta é uma aventura minha, só compartilhada com os amigos mais próximos. Pessoas que comigo partilharam alguma experiência. Com quem tenho alguma história em comum.

Depois, quase como se o mundo tivesse sentido esta minha angústia, recebo de alguém alguma coisa fantástica, chocante ou simplesmente engraçada que vale a pena partilhar ou comentar.

Ontem um dos meus filhos "velhos" (o 2º na cadeia cronológica), enviou-me este spot verdadeiramente extraordinário.

Não sei quem o fez, mas foi seguramente uma equipa de bons criativos. Parabéns pelo timing oportuno, e pela soberba qualidade da ideia e da concepção.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Dia dos avós



Ontem foi o dia dos avós. Deste dia não tenho recordações de infância, até porque isto de dias "temáticos" é uma modernice. Quando era miúdo, todos os dias eram dias da avó e da bisavó (muito melhor)!

Ainda não adquiri esse estatuto, mas apenas por uma questão de, … inteligência dos meus filhos velhos.

Tenho quatro filhos mas continuo a zero de netos. Os meus filhos “velhotes” já podiam ser pais, até porque eu, da idade do segundo já tinha tido o primeiro. Da idade do primeiro já tinha tido o segundo. Da idade do terceiro, já andava nos treinos para o primeiro, e da idade do quarto,... bom, nessa altura eu era simplesmente feliz porque ainda tinha avó e bisavó. 

Esta última, foi a pessoa mais amiga, carinhosa, afectuosa, e companheira que “alinhava” nas minhas brincadeiras de criança, que me compreendia sempre, mesmo sem palavras. Foi uma das grandes responsáveis pela minha infância muito, muito feliz. Vivida na quinta onde nasci.

Tenho saudades desses tempos, por isso entendo a alegria quase a rodar a “tonteirice” do meu filhote mais novo, sempre vê os avós.

Com 24 horas de atraso, os meus parabéns a todos os avós assumidos.

terça-feira, 26 de julho de 2011

O Tozé substitui o Zézito!



“Aqueles que, só pela mão da fortuna, de vulgares cidadãos se tornam príncipes alcançam o mando com pouca fadiga, mas só com muito esforço o conseguem manter. Não experimentam dificuldades na caminhada para o poder, parecendo que para lá vão voando. As dificuldades surgem depois de serem entronizados”. Maquiavel 1469-1527

Conhece e domina a máquina do partido. Os tempos de oposição interna permitiram-lhe fazer contactos, ganhar simpatias e fazer acordos. Mas foi também ele a causa de muitos equívocos. Quando foi necessário apoiar abertamente o anterior executivo, distanciava-se. Aparecia, mas mantinha-se cautelosamente na sombra. Sem fazer ondas.

Agora olha à sua volta, e acredito que até ele esteja confuso. Os “inimigos” de ontem são os apoiantes de hoje, até voltaram à condição anterior. O poder é efémero! Ele sabe-o.

Iniciou apenas o caminho, estreito, apertado e sinuoso que o pode levar até ao poder. Esse é o objectivo final. Mas não vai ser fácil. Vai ter de ultrapassar muitos obstáculos, principalmente dentro do seu próprio partido.

Para um dia chegar ao tão ambicionado lugar, vai ter de passar pela purga da oposição no parlamento. Quatro anos e em tempos de vacas muito magras. Vai ter de se opor explicitamente, apresentar propostas e fundamenta-las, desenquadrando-as dos compromissos formalmente assumidos com a Troika, pelo anterior executivo. O campo de manobra vai ser muito limitado.

E além de tudo isto, que já não é pouco, vai também ter de ganhar o respeito da “elite” que sempre dominou o partido. Unir as diferentes facções, grupos e grupelhos, resistir às constantes guerrilhas dos barões e baronetes, contornar o acordo feito com a Troika, e limpar as asneiras do anterior executivo, … na melhor das hipóteses, só se irá aguentar, se passar os próximos tempos a trabalhar muito, com uma equipa que lhe seja leal, mas nunca deixando de olhar por cima do ombro.

À semelhança do actual nº 1, de quem é alias amigo pessoal, também ele começou nos jotas.

Esta é a uma nova geração de líderes políticos.

Não viveram exilados.

Não foram Salazaristas nem Marcelistas.

Não lutaram contra o obscurantismo do Estado Novo.

Não podem ser acusados de fascistas, porque no seu tempo já estava fora de moda (tudo o que não fosse esquerda era mal-afamado).

Estes dois, estão limpinhos dos pecados do antes, e dos exageros do pós-revolução.

O 25 do 4, veio apanhá-los ainda de bibe a caminho do jardim-de-infância. As suas preocupações não iam para alem dos baloiços e escorregas.

São os novos senhores do pedaço. Ou do que resta dele!

segunda-feira, 25 de julho de 2011

The Shock Doctrine (A Doutrina do Choque)



Em A Doutrina do Choque, Naomi Klein (ensaísta Canadiana) põe um fim ao mito de que o mercado livre global triunfou democraticamente. 


Expondo o modo de pensar, o rasto do dinheiro e os fios de marioneta por detrás das crises e guerras mundiais das últimas quatro décadas,  A Doutrina do Choque é a história absorvente de como as políticas de "mercado livre" da América têm vindo a dominar o mundo - através da exploração de povos e países em choque devido a inúmeros desastres.


Na conjuntura mais caótica da guerra civil do Iraque, é apresentada uma nova lei que permitiria à Shell e à BP reclamar para si as vastas reservas petrolíferas do país... 

Imediatamente a seguir ao 11 de Setembro, a administração Bush concessiona, sem alarido, a gestão da "Guerra Contra o Terror" à Halliburton e à Blackwater... 

Depois de um tsunami varrer as costas do sudeste asiático, as praias intocadas são leiloadas ao desbarato a resorts turísticos… 

Os residentes de Nova Orleães, espalhados pelo furacão Katrina, descobrem que as suas habitações sociais, os seus hospitais e as suas escolas jamais serão reabertas… 

Estes acontecimentos são exemplos da "doutrina de choque": 
- o aproveitamento da desorientação pública no seguimento de enormes choques colectivos - guerras, ataques terroristas ou desastres naturais - para ganhar controlo impondo uma terapia de choque económica. 

Por vezes, quando os dois primeiros choques não são bem sucedidos em eliminar a resistência, é empregue um terceiro choque: o eléctrodo na cela da prisão ou a arma Taser nas ruas.

Baseado em investigações históricas inovadoras e em quatro anos de relatos no terreno em zonas de desastre,  A Doutrina do Choque mostra de forma vívida que o capitalismo de desastre - a rápida reorganização corporativa de sociedades que tentam recuperar do choque - não começou com o 11 de Setembro de 2001. 

O livro traça um percurso das suas origens que nos leva há cinquenta anos atrás, à Universidade de Chicago sob o domínio de Milton Friedman, que produziu muitos dos principais pensadores neoconservadores e neoliberais cuja influência, nos nossos dias, ainda é profunda em Washington. 

São estabelecidas novas e surpreendentes ligações entre a política económica, a guerra de "choque e pavor" e as experiências secretas financiadas pela CIA em electrochoques e privação sensorial na década de 1950, pesquisa essa que ajudou a escrever os manuais de tortura usados hoje na Baía de Guantanamo.

A Doutrina do Choque segue a aplicação destas ideias através da nossa história contemporânea, mostrando em assombroso detalhe a forma como eventos do conhecimento geral têm sido palcos activos e deliberados para a doutrina do choque, contando-se entre eles: o golpe de estado de Pinochet no Chile em 1973, a Guerra das Malvinas em 1982, o massacre na Praça de Tiananmen em 1989, o colapso da União Soviética em 1991, a Crise Financeira Asiática em 1997 e o furacão Mitch em 1998.

sinopse do livro A Doutrina do Choque Site da Wook.pt